sábado, 10 de agosto de 2013

Bom Sabado

DEIXEM COMENTARIOS!

Eu ri

Então, neh... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkQuem recusaria!!!2 lindos demais!!!

Fotoguia :Os labirintos mais incriveis do mundo

Cercas-vivas, espelhos, gelo, plantações de milho e até mesmo filme de plástico fazem parte desses curiosos locais.


Parque abandonado Bambiland

Localizado em Pozarevac, na Sérvia, o parque de diversões era um projeto comercial do filho do ex-presidente Slobodan Milosevic, Marco. O parque foi abandonado e saqueado quando ele fugiu do país, em 1999.
Parque abandonado sérvio, Bambiland. Fonte da imagem: Reprodução/Gizmodo

Vambora de hj

 

  Vambora -Cracóvia -Polonia


Os mais de mil anos de história não tiraram a disposição da Cracóvia. Muito menos deterioram seus monumentos, que mantêm com elegância o charme original do Velho Mundo, a exemplo do Collegium Maius, da Praça do Mercado, do Castelo Wawel e da Basílica Mariana (entre outras 140 igrejas!). Nem mesmo os bombardeios da Segunda Guerra a atingiram. Enquanto os nazistas voltavam sua ira aos rebeldes de Varsóvia, a Cracóvia mantinha relativa ordem, o que a fez escapar praticamente ilesa, embora soviéticos e alemães não apreciassem nem um pouco os ares estudantis da cidade, detentora da quinta universidade mais antiga do mundo.
Basílica de Santa Maria, Cracóvia, Polônia
Em um de seus episódios mais trágicos, soldados de Hitler invadiram a faculdade, arrastaram 180 professores e cientistas ao pátio e os executaram na frente de todos. Mas a atrocidade não foi suficiente para arrancar-lhe o espírito. Pelo contrário: hoje, a Cracóvia conta com 15 escolas superiores, e o ensino é gratuito até o fim da faculdade. Dos 900 mil habitantes, cerca de 200 mil são colegiais ou universitários, vários vindos de outras partes do mundo só para ter o gostinho de estudar nos mesmos bancos onde Nicolau Copérnico (1473-1543) sentou um dia.
 Castelo Wawel, Cracóvia, Polônia
Por anos, o arcebispado de Cracóvia esteve sob o comando de Karol Wojtyla, que viria a ser eleito papa sob o nome de João Paulo II. Um dos homens mais influentes do século 20, teve papel fundamental na queda do comunismo, no reestabelecimento do orgulho da identidade polonesa e na reaproximação com judeus e muçulmanos. Sua imagem está por vários cantos da cidade, assim como um certo ar de modernidade se mistura a edifícios tão belos quanto veneráveis.
Castelo Wawel, Cracóvia, PolôniaAuschwitz-Birkenau, Polônia
COMO CHEGAR
Cracóvia é conectada com várias cidades polonesas e com algumas metrópoles europeias através da boa malha ferroviária da PKP, como o trem noturno até Viena (oito horas) e os frequentes serviços ligando-a a Varsóvia (cerca de 3 horas e meia).
O Aeroporto Internacional João Paulo II (www.krakowairport.pl/en) possui voos para Paris, Roma, Madri e Londres, entre outros, tornando-a um destino de fácil acessibilidade. Rápidos trens ligam os terminais ao centro da cidade em 18 minutos. As partidas desde o aerporto vão das 5h34 até as 22h20, com intervalos regulares e saem por cerca de US$ 4. Os táxis, mais convenientes para quem está em grupos ou com muita bagagem, funcionam 24 horas por dia e o trajeto até o centro costuma sair por volta de 50 zlotys, ou 16 dólares.

COMO CIRCULAR
Uma vez em Cracóvia, não há nada melhor do que caminhar. Todas as principais atrações estão a confortáveis distâncias à pé. Se no entanto você estiver hospedado distante do Centro, a cidade oferece um bom sistema de transporte, com bondes e ônibus. Compre os bilhetes em quiosques ou máquinas automáticas e as valide dentro dos veículos.

O QUE FAZER
O compacto Centro Histórico de Cracóvia sobreviveu aos horrores da II Grande Guerra e hoje é listado como Patrimônio da Humanidade pela Unesco. A alma local se descortina na deslumbrante Praça do Mercado e no Castelo Wawel. Sua incrível variedade de igrejas são uma aula de arquitetura e história do cristianismo, indo do gótico ao barroco em poucos quarteirões. Não é à toa que o papa João Paulo II, arcebispo da cidade, é uma figura onipresente aqui. Mas nem só de católicos vive a região. Outrora a Cracóvia possui uma grande e próspera comunidade judaica, uma das que mais sofreram com o Holocausto. Visite o Gueto e as sinagogas para depois seguir para a cidade de Auschwitz, onde se encontra os restos de um dos principais campos de concetração do período.


ONDE COMER
A Cracóvia possui uma ampla variedade de restaurantes, para todos os gostos e orçamentos. Como em tantos outros lugares da Polônia, estabelecimentos especializados em pratos estrangeiros (italianos, franceses, chineses, alemães) estão um degrau acima dos de pratos típicos. Alguns destes últimos têm pratos um tanto insossos como sopa de beterraba e o famoso pierogi a preços inexplicavelmente altos, valendo-se de chamativas placas em inglês que atraem os turistas. Experimente algumas boas receitas como panquecas de batata e pescoço de porco ou teste alguns novos restaurantes de cozinha judaica. O grande destaque, porém, vai para as bebidas. As cervejas do sul da Polônia são refrescantes e possuem muita personalidade, o vinho de mel mead é excelente como aperitivo ou digestivo e as vodcas surpreendem pela variedade, sabor e perfume.
Informações ao viajante
  • polonês
  • zloty
  • 00800-4911-488
  • Não é necessário
  • Av. das Nações, Qd. 809, Lote 33, Brasília/DF
    (61) 3212-8000
     
     
     

Em busca do cão ideal

Como o homem alterou a evolução canina

Os donos desses casacos são os frequentadores daquela que é a mais exclusiva reunião de cães no mundo, a qual ocorre todos os anos na véspera da exposição canina do Westminster Kennel Club. No dia seguinte, os melhores cães do país, abrangendo 173 raças, vão disputar um momento de glória no outro lado da rua, no ginásio Madison Square Garden. Hoje, porém, a função lembra mais uma recepção a convidados de quatro patas, enquanto seus donos fazem fila para se inscrever naquele que é o alojamento oficial da competição. Em um carrinho de bagagens, um basset hound fita com olhar desanimado um terrier hiperativo. Diante da lojinha de lembranças, um mastim tibetano, com patas tão grandes quanto mãos humanas, esfrega seu focinho no de um pug, que funga sem parar.
Cachorros: Pug e São Bernardo
A diversidade explícita no saguão do hotel – uma vertiginosa gama de dimensões corporais, formatos de orelha, comprimentos de focinho, hábitos de latir – é o que faz os amantes de cachorros serem fanáticos. Por motivos tanto práticos quanto fantasiosos, o melhor amigo do homem foi sendo aperfeiçoado a ponto de se tornar o animal mais diversificado do planeta – uma realização assombrosa, pois a maioria das 350 ou 400 raças hoje existentes surgiu apenas há um par de séculos.
Cachorros: Cão de Santo Humberto, Pointer Alemão de Pelo Curto e o Sussex Spaniel
 O que os criadores fizeram foi acelerar o ritmo normal da evolução, mesclando características caninas disparatadas e acentuando- as ao privilegiar os filhotes que apresentavam de modo mais marcante os atributos buscados. Por exemplo: a fim de obter um cão bem adaptado a encurralar texugos, considera-se que os caçadores alemães nos séculos 18 e 19 tenham realizado algum tipo de cruzamento entre cachorros de caça – o basset hound, nativo da França, sendo o mais provável – e de toca, como os terriers, criando uma variação sobre o tema do cão com pernas curtas, corpo roliço e capacidade de ir atrás das presas mesmo dentro de suas tocas. Assim surgiu o dachshund, ou “caçador de texugo” em alemão. A pele frouxa e flexível servia como mecanismo de defesa, permitindo que o cão suportasse mordidas de dentes afiados. E a cauda longa ajudava os caçadores a puxá-los para fora da toca, com o texugo preso à boca.
Cachorros: O imponente Cão Dinamarquês
Veja a galeria de fotos grandes de cães de 45 espécies
Os caçadores, é lógico, não levavam em conta o fato de que, ao forçar o surgimento dessas estranhas variedades, eles também estavam, antes de tudo, mexendo com os genes que determinam a anatomia canina. Desde então os cientistas consideravam que, sob a diversidade morfológica, havia uma multiplicidade genética equivalente. Mas um recente surto de pesquisas sobre o genoma canino aponta para conclusão oposta: o imenso mosaico de formas, cores e tamanhos dos cães deve-se, em boa parte, a alterações em apenas um punhado de regiões do genoma. Cachorros:  Terrier australianoCachorros: Labrador Retrivier
A diferença entre o corpo diminuto do dachshund e o corpo maciço do rottweiler é ocasionada pela sequência de um único gene. O mesmo ocorre com a disparidade entre as pernas curtas do dachshund – conhecidas como condrodisplasia, um tipo de nanismo – e as pernas longas e finas do galgo.
Cachorros: Cão Dinamarquês
E isso se repete em todas as raças e quase todas as suas características. Em um projeto denominado CanMap – uma parceria entre a Universidade Cornell, a Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) e os Institutos Nacionais de Saúde (NIH, na sigla em inglês) americanos –, pesquisadores colheram amostras do DNA de mais de 900 cães, abrangendo 80 variações, e também de canídeos selvagens, como lobos e coiotes. Cachorros: BichonCachorros: São-bernardoCachorros: Springer SpanielCachorros: BasenjiCachorros:  DobermanCachorros: Setter InglêsCachorros: PoodleCachorros: MastimCachorros: Chow-ChowCachorros: Rhodesian Ridgeback (Leão da Rodésia)

Eles constataram que o tamanho corporal, o comprimento e o tipo do pelo, o formato do focinho, a posição das orelhas, a cor do pelame e outros traços que em conjunto definem a aparência de uma raça são controlados por 50 comutadores genéticos. A diferença entre as orelhas caídas e as eretas é determinada por uma única região dos genes no cromossomo canino 10, ou CFA10. A pele enrugada de um shar-pei depende de outra região, denominada HAS2. Cachorros: Grifo de Bruxelas
Basta mexer em alguns comutadores e um dachshung vira um doberman, pelo menos em aparência. Outra mexida e o doberman vira um dálmata. “O que está ficando mais evidente”, comenta o biólogo Robert Wayne, “é que a diversidade dos cães domésticos resulta de um instrumental genético restrito.”Cachorros: Grande Boiadeiro Suíço
As notícias na imprensa a respeito de genes específicos a cabelo ruivo, alcoolismo ou câncer de mama dão a falsa impressão de que a maioria das características é governada apenas por um ou alguns genes. Na verdade, a genética simplificada da morfologia canina é uma aberração. Na natureza, em geral, uma característica física ou um estado de enfermidade são o resultado de uma complexa interação de muitos genes, cada qual fazendo a sua contribuição. Nos seres humanos, a altura de uma pessoa é determinada pela interação de 200 regiões do gene.
Cachorros: Dandie Dinmont TerrierCachorros: Buldogue FrancêsCachorros: PapillonCachorros: Cão dos PirineusCachorros: Pastor Belga MalinoisCachorros: Lulu da PomerâniaCachorros: Pastor AustralianoCachorros: Welsh Corgi pembroke e Welsh Corgi CardiganCachorros: PugCachorros: Setter IrlandêsCachorros: Galgo Afegão Cachorros: Manny, Cão da raça Galgo AfegãoCachorros: Chesapeake Bay RetrivierCachorros: Pointer Alemão de pelo curtoCachorros: Border CollieCachorros: Mastim TibetanoCachorros: Mastins TibetanosCachorros: Dachshund Cachorros: Terrier Preto da RússiaCachorros: Yorkshire TerrierCachorros: Cão de Crista ChinêsCachorros: Dogue de DordeauxCachorros:  Shar-Pei

Fonte:National Geographic